Reabilitação

Quadril

Cada vez mais observa-se uma crescente incidência de lesões na articulação do quadril. Articulação esta, que é responsável por absorver e transmitir para o corpo todas as forças de ação e reação do solo, seja em atividades de grande demanda física como corridas, esporte de giro ou até numa simples caminhada ou levantar de uma cadeira.

Quadril

O quadril corresponde da união da cabeça do fêmur (coxa) com o acetábulo localizado na pelve (bacia) e, para essa união permanecer estável, funcional e saudável, muitas estruturas nobres são responsáveis para tal, como estruturas cápsulo-ligamentares, musculares, labrum, cartilagem e a própria congruência entre esses ossos.

Indicação

Devido a essa tamanha complexidade, é imprescindível que todo o entendimento e acompanhamento da lesão seja feita por especialistas médicos para investigação clínica e por fisioterapeutas especializados para minuciosa avaliação funcional que quantifica e qualifica a função dessa articulação que junto com um raciocínio respaldado pela evidência científica cria-se o melhor cenário e a escolha da melhor ferramenta para a plena recuperação do indivíduo em questão.

Estudos vêm evidenciando a multifatoriedade das causas das lesões, que envolvem questões como erros de treinamento, sedentarismo, biomecânica do movimento alterada, estruturas ósseas alteradas, fatores nutricionais e qualidade de sono.

Os tratamentos das lesões do quadril podem envolver diversas frentes e muitas vezes podem ser concomitantes, desde tratamento totalmente conservador com fisioterapia, a procedimentos cirúrgicos e procedimentos intervencionistas da dor com o controle e modulação dos sintomas e por isso que novamente reafirmamos a importância da qualificação e expertise dos profissionais envolvidos.

Principais lesões

Atraumática

Lesão mais comum e que podem ser divididas em lesão intra-articular (lesão do labrum, lesão de cartilagem e lesão do ligamento redondo) e extra-articular (tendinites dos glúteos ou íliopssoas, bursite trocantérica e ressalto da banda iliotibial).

Traumática

Com impactos de elevada energia direcionados ao quadril, como quedas ou acidentes automobilísticos, levando a luxação e/ou fraturas dos componentes ósseos.

Metabólicas

Nos casos de osteonecrose, devido a diabetes, tabagismo, etilismo ou uso contínuo de medicamentos como anti-inflamatórios hormonais ou tratamento de carcinomas e também devido a sequela de lesão por impactação como as fraturas do quadril.

Atualmente temos um grande número de estudos científicos sendo desenvolvidos seguindo bons métodos de pesquisa no que diz respeito as lesões do quadril e sua respectiva reabilitação, portanto, a qualificação e atualização profissional deve ser constante para sermos mais assertivos na busca do objeto final, melhora da qualidade de vida. Saúde não se deve encarar na forma do achismo, responsabilidade e ética são imprescindíveis.

Doenças

Impacto femoroacetabular

Lesão provocada pelo contato precoce entre o colo femoral e borda do acetábulo em movimentos com certo grau de amplitude, devido, não de forma isolada, a alterações estruturais ósseas, performance muscular alterada, biomecânica do movimento alterada e ergonomia nas atividades de vida diária. Levam a irritabilidade e lesão labral, lesão de cartilagem e, consequente, tendinites dos glúteos e bursite trocantérica. A localização dos sintomas é bem variada, podendo percorrer toda articulação (inguinal, lateral e glúteo), lombar e coxa.

Preconiza-se o tratamento conservador com fisioterapia inicialmente, de forma minuciosa, específica e direcionada para corrigir as alterações funcionais, porém deve-se observar atentamente qual tipo de indivíduo, atividade esportiva, extensão da lesão e acometimento de estruturas associadas para real definição do plano de tratamento, estipula-se cerca de 12 a 16 semanas de fisioterapia, caso haja falha do tratamento define-se o tratamento cirúrgico por artroscopia.

Lesão labral

Aproximadamente 60% da população apresenta lesão labral degenerativa sem perpetuação de sintomas, ou seja, acaba sendo achados de imagem, porém quando sintomático pode gerar dor inguinal, lateral e em glúteos, sensação de instabilidade, travamento do movimento e estalido acompanhado por dor. Pode ser lesão isolada, porém a maior incidência é secundária a lesão de impacto femoroacetabular, por isso é importante a avaliação clínica e funcional apurada e específica. Geralmente está presente em indivíduos fisicamente ativos e praticantes de atividades de impacto, movimentos rotacionais e com grandes amplitudes de movimento.

Novamente preconiza-se o tratamento conversador com fisioterapia ativa e devidamente orientada, a não ser nos casos onde há um destacamento importante do labrum da borda acetabular provocando bloqueio do movimento e dor constante, nesses casos opta-se pelo tratamento cirúrgico por artroscopia para fixar novamente o labrum na borda acetabular. Tempo de recuperação pós-operatória com fisioterapia em torno de seis meses, cuidados iniciais são importantes para uma plena cicatrização do labrum junto ao osso e restauração da função. Seja reabilitado por um fisioterapeuta qualificado.

Lesão trocantérica

Compreende as tendinites dos glúteos e bursite trocantérica. Podem ocorrer de forma traumática com quedas diretas sobre o quadril ou atraumáticas, pela alteração abrupta de volume de treinamento, sedentarismo (baixa capacidade muscular), gesto de movimento alterado seja nas atividades de vida diária ou esportivas e até consequente a lesão de impacto femoroacetabular.

Tratamento

Inicialmente é recomendado o tratamento conservador com fisioterapia estruturada e direcionada para a correção das alterações funcionais seja de força muscular, gesto esportivo e/ou correção do volume de treinamento. Junto com a opinião médica especialista pode-se recorrer simultaneamente, uso de medicamentos para controle álgico e inflamatório e técnicas como terapia por ondas de choque.

Osteoartrose

A cartilagem é um tecido nobre da articulação e sem capacidade de cicatrização ou restauração da forma original, é por isso que deve ser preservada. O desgaste da cartilagem pode ocorrer de forma natural com o passar da idade ou de forma precoce devido a traumas de elevada energia ou aparentemente devido a lesão avançada de impacto femoroacetabular. Importante é diminuir o avanço do desgaste precoce por atividades físicas dentro da tolerância individual, controle de peso corporal e boa performance muscular. Uma vez instalada preconiza-se reabilitação com atividades aeróbias de baixo impacto, programa para melhora da capacidade muscular, manutenção da amplitude de movimento por terapia manual, controle nutricional e ponderal. Nos casos cirúrgicos, duas técnicas podem ser realizadas a critério do médico especialista, a prótese total de quadril ou o recapeamento articular (Resurfacing).

Prótese total de quadril

Técnica cirúrgica com os melhores resultados funcionais com respeito a qualidade de vida, maior capacidade funcional e alívio da dor. Consiste da retirada da cabeça femoral e colocação de um implante ou conjunto de componente femoral e outro componente acetabular (bacia) formando a nova articulação. A durabilidade dos componentes está cada vez mais otimizada com a melhora da qualidade dos materiais, conjuntamente, com os avanços dos programas de reabilitação que estão cada vez mais assertivos e eficientes.

A reabilitação pós-operatória requer importantes cuidados, estes, pelo menos até as primeiras oito semanas, para que não ocorra intercorrências ou complicações como a luxação da prótese ou quedas. Neste início, deve-se usar utensílio de ajuda para caminhar, extensor em vaso sanitário e orientações de como deitar e levantar da cama ou cadeira, preconiza-se a prática de atividades esportivas de baixo impacto e unidirecional. A reabilitação sim deve ser feita de forma criteriosa, com conhecimento e atenta. Pode ser que o indivíduo tenha alguma discreta alteração no caminhar por até um ou dois anos, porém com a fisioterapia bem assistida e os próprios mecanismos corporais façam a correção ou muitas vezes a adaptação que serão imperceptíveis ao indivíduo. Procure experts fundados na ciência e não tenha medo.

Resurfacing

Técnica cirúrgica para tratamento de osteoartrose com o mesmo propósito da prótese total de quadril, porém com diferenças do componente implantado e indicações muito específicas e pontuais. É o recapeamento da cabeça femoral com implante metálico e não a retirada como ocorre na prótese total de quadril, o implante da pelve é similar em ambos. Promove maior performance funcional pois permite a prática de atividades esportivas que requerem maior demanda, intensidade aliado a mudanças de direções, maior mobilidade e menor taxa de luxação comparado com a prótese total de quadril. Indicado para tratamento de artrose precoce, em indivíduos jovens com alta demanda física e boa qualidade óssea.

Conheça nossos diferenciais de perto e sinta como o Instituto Mood pode ajudar você a alcançar seus objetivos

Agente uma visita